20 novembro 2014

Em clima natalino

O Natal já está chegando e eu adoro essa data. Embora traga um pouco de nostalgia, eu acredito na magia que tem por trás da cena. Eu sei que Papai Noel não existe, eu sei... Mas não é dessa magia que estou falando. É a de todo mundo entrar em um clima de paz e solidariedade, todo mundo compartilhando amor e felicidade. Essa é a verdadeira magia.
Mas vamos ter que concordar em um ponto, Natal fica ainda melhor com uma decoração, certo? Pra ajudar vocês a enfeitar sua casa, seu escritório ou qualquer cantinho especial, vou mostrar algumas decorações bem criativas que encontrei na internet.







1. Sabe aqueles bloquinhos que você comprou no início do ano pra colocar todas aquelas informações importantes pra grudar no espelho, na geladeira ou na testa? Esse mesmo! Olha que ideia criativa, além de ser bonita e barata. Tire seus bloquinhos da gaveta e mãos a obra!














2. Gosta de decorações mais discretas? Iluminar garrafas transparentes é uma ótima aposta e da um clima muito legal no ambiente.













3. Essa árvore natalina de livros é uma ótima aposta pra quem é amante da leitura, mas tem que deixar aquele dó de colocar os livros assim, pensar que as páginas vão amassar e coisa e tal de lado, coisa que eu acho bem difícil. Mas pra quem tem coragem, vale arriscar!










4. Faça uma árvore de natal com seus objetos preferidos. Vale quadros, fotos, enfeites, adesivos ou qualquer outro material de sua preferência. Fica bem original.








5. Tá sem grana pra comprar uma árvore bacana? Pegue um galho seco, coloque-o em um vaso e enfeite-o! Se quiser, pode pintar os galhos, colocar luzes e usar a imaginação!








6. Já sabe de que cor vai pintar suas unhas na noite de natal? Esse modelo é uma graça, além de deixar seu cantinho todo decorado vai poder deixar suas unhas também.








Gostou das dicas?
Beijão!







10 novembro 2014

Brisa passageira


Retoma-me meu sol
Que agora a escuridão habito
O tempo, o que é o tempo?
Esse de minhas mãos já escorreu
E agora, sem contar as horas
O que sou, de fato?
Uma folha no infinito?
Uma flor no abismo?
Ou um nada na imensidão do paraíso?
Não importa, não há tempo para descobrir
O meu eu, na verdade, não pertence a mim
O meu eu, de verdade, são pedacinhos de luz que foram parar nas mãos alheias da felicidade
O eu, que por toda a vida não descobriu o que foi
Agora é apenas cinzas que foram jogadas ao mar
Criaram asas e, de vagarinho, voaram para onde eu quis estar durante toda aquela vida
A vida que deixei de desfrutar
Porque indaguei mais do que me permitir aproveitar.

24 setembro 2014

Foque no seu sonho


Esses dias eu estava pensando sobre o futuro. Meus sonhos são tantos e tão grandes, que quando falo deles muitas pessoas me olham com uma expressão de "coitada, grande sonhadora", como se tudo que eu almejo fosse algo impossível. Meus sonhos são grandes sim, mas não envolve ir morar em Marte ou viver até 200 anos, então acho que tudo é possível sim.
Contudo, na vida sempre há os "poréns". Acomodar-se, para um grande sonhador, está fora de cogitação. Para conseguir vencer na vida, é preciso batalhar e trocar as mordomias por uns belos tombos da vida.
Eu tenho medo. O medo é completamente normal e só deixa de ser algo completamente natural e saudável quando ele passa a ocupar mais espaço na sua vida do que o necessário. Mas apesar desse "friozinho na barriga", o foco é seguir em frente.
Uma coisa que notei durante essa pouca vivência é que parece que quando somos jovens, temos toneladas de desejos e, se não os realizamos de imediato, quando ficamos mais velhos vamos nos enraizando no próprio conforto e estabilidade e passamos a deixar esses sonhos de jovens para outro dia e quem sabe outra vida. Mas quem garante que essa não é a única oportunidade que temos na terra de mudar o nosso próprio destino?
Sou sonhadora sim. E espero seguir assim, pois só os sonhos nos motivam a tornar o mundo e nós mesmos melhores. É claro que tem momentos que a vontade de desistir de tudo é gritante, mas não maior que a alma.
Uma dica que eu tenho para você, caro(a) amigo(a): Nunca deixe de acreditar em si mesmo. NUNCA.
Volte quantos anos precise e resgate, mesmo que já esteja bem lá no fundo, aquele brilho de viver que uma criança tem e possua-se dessa inocência, com cautela é claro, e pense que, por pelo menos um instante, o mundo inteiro está na sua mão. Agora, escolha o que você quer dele. Depois, acorde. Continue com essa esperança inesgotável. Diga para si mesmo que você consegue.
Siga em frente e, mesmo que no momento mais desesperador, não desista. Foque nos seus sonhos e acredite neles. E assim, o mundo todo sorrirá para você.

25 agosto 2014

Aquele abraço faz tanta falta


Hoje bateu uma imensa saudade, daquele tipo que esvazia o peito e enche-o de solidão. Eu lembrei do tempo. O tempo foi tão cruel... Durante minutos, as palavras fugiram da boca, dando lugar as lágrimas espalhadas, num todo formando o teu rosto. Esse rosto que eu sei que jamais vou ver de novo. 
O clima é de nostalgia, com uma pitada de tristeza. A trilha sonora é recheada com as lembranças das tuas palavras, das nossas conversas. Lembra que fizemos planos para o final do ano? Eu já imaginava o vestido no teu corpo, completamente linda, se enchendo de orgulho de mais uma etapa de minha vida concluída. 
Sabia que eu sinto falta das tuas ligações? Aquela voz, perguntando se eu estava bem, mandando um beijo cheio de ternura para mim. Eu morro de saudades das tuas birras, aliás, das nossas birras. 
De todas as coisas, a mais valiosa para mim foi ter aprendido contigo a valorizar as pequenas coisas e fazer destas momentos valiosos. De todas as coisas que eu desejo, a que eu mais queria que se realizasse era poder voltar atrás no tempo. Eu sei, não dá. Não custa sonhar...
É inevitável te esquecer. É impossível não sentir a tua ausência. É difícil aceitar a perda. Dói.
Aquele abraço faz tanta falta. As lembranças conseguem ser as mais torturantes quando querem. A dor consegue ser a mais profunda quando pode. 
Tem momentos que o desespero me pega desprevenida e me toma por completo. Eu só não sei o que fazer, ninguém me ensinou a sofrer, não pensei que essa tarefa fosse tão complicada.
Uma hora as palavras começam a fazer sentido novamente. A vida continua. 
Depois de chorar, as lágrimas secam. As pernas levantam e começam a andar. A vida vai tomando seu lugar e eu, algum dia, espero saber o sentido de todos esses caminhos que meus pés cansaram de trilhar.

03 junho 2014

Deixar saudade


Eu quero ser o tipo de pessoa que deixa saudade. Não aquela saudade de um fim de relacionamento ou algo mal resolvido, mas uma saudade gostosa.
Eu quero ser lembrada com carinho e ouvir a frase "você faz falta aqui".
Eu quero ouvir meu nome no coração daqueles que quero bem, sabendo que o que construí ficou guardado na memória de cada um.
Eu quero também ser surpreendida pela saudade, ouvir sua palavra de quem menos esperava. Saudade também é coragem.
Eu sinto saudade e sei que ela também dói, mas assumo essa dor. O preço a se pagar por isso é alto, mas o seu conforto também é elevado.
A saudade é nossa história entranhada no peito alheio. Senti-la é saber que vivemos. Assumi-la é saber que amamos. Não existe declaração mais pura que a saudade, porque ela significa que sentimos falta de alguém. Nem todo mundo assume que precisa de alguém. Eu assumo e corro todos os riscos. Viver é uma constante prova de amor.
E se no final, quando tudo acabar, não houver pedaços de mim espalhados nos corações de quem amei, de que servirá toda essa vida?
Eu quero deixar saudade, mas melhor que isso é deixar a presença em cada dia. Será bom ser lembrada, mas não melhor do que ser vivida.

04 maio 2014

Eu mudei...



Eu mudei. Eu tive que mudar.
Primeiro, pensei que fosse por ele. Carreguei por tempos essa certeza nas costas. Depois, comecei a pensar que talvez minha mudança tenha sido por ela. Quem sabe para colocar-lhe um sorriso no rosto ou fazer-lhe sonhar.
Mas as minhas certezas já não eram mais certas e os meus medos migraram para outro lugar. Passei a conhecer habitantes novos nos meus pesadelos. Tudo era diferente. Tudo era mais. Tudo era. Confuso.
Chegou um tempo em que minhas lágrimas eram constantes, mas não saiam dos meus olhos. Eu aprendera a gritar com a voz do coração. Como se tudo isso não bastasse, comecei a me sentir tão só. O mundo está tão cheio de pessoas tão vazias. Todo mundo fala tanto, mas não diz nada. Comecei a aprender que esse mundo já não é o mesmo. Quem sabe, talvez, eu já não seja a mesma.
Fechei os olhos. Eu estava em um lugar diferente. Não havia ignorância e vaidade. As pessoas eram boas, elas entendiam o amor e não o julgavam como algo tolo e ingênuo.
Meus olhos abriram. Eu estava imóvel no sofá. Tudo ao meu redor estava igual e descobri que não tinha ido a lugar algum. Coitada de mim em pensar assim. Era óbvio que eu tinha ido a algum lugar: eu viajei para dentro de minha própria alma. Percebi, de fato, que eu havia mudado, mas não foi por ninguém. Eu mudei, na verdade, apenas por mim.

10 abril 2014

Quando teus olhos fecharam


Outono. Uma manhã. O teu coração. O meu.
Eu fecho meus olhos por um instante e o tempo foge lá para trás. É verão. Tem sol. Tem você. Tem eu. Na verdade, tem todos nós. Os risos. As brigas. As reclamações. Os abraços. As histórias. Tudo. Teu colo. Teu cheiro.
Abro os olhos. Percebo a calamidade que me rodeia. O teu olho, quase imóvel. Tua alma com o mesmo jeito doce de ser. O nosso último abraço. Lágrimas.
Ninguém quer. Eu não quero. Te perder. Não. Fica. Não vai. Me cuida. Continua comigo. Continua conosco.
Teus olhos vão fechando. Tua respiração está mais fraca. Tu estás tão fraca. Nós estamos tão... fracos. Vai ver é isso mesmo, o ser humano não passa de um fraco. Eu sei. Eu sei que nascemos, vivemos e morremos. Mas no final não somos mais que nada. Não podemos fazer nada. Eu não queria te deixar ir assim. Mas eu não sou nada. Não consegui fazer nada. Desculpa.
Teus olhos fecharam. Tua respiração parou. Tu se foi. Tranquila. Foi. E eu, aqui, desamparada de teu colo. Por que tu foste? Já estava na hora. Hora injusta.
E agora, eu fiquei. Tu se foi. A saudade ficou. Vai ficar. Até a gente se encontrar.

(Homenagem a minha amada vó, que se foi no dia 09.04.14, fica com Deus e olhe por nós.)